Bem-vindo ao Portal de Sabará - MG

Vazão do Rio das Velhas atinge níveis críticos e gera alerta por medo de faltar água

Nas últimas duas semanas, a vazão do Rio das Velhas no ponto de captação da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) no Sistema Bela Fama, em Nova Lima – responsável pelo abastecimento de cerca de 60% da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) – registrou níveis críticos. Neste período, por três vezes a vazão esteve abaixo dos 10m³/s.

Continue lendo após a publicidade

A informação foi divulgada pelo CBH Rio das Velhas em reunião com os representantes da Copasa, SAAE (Serviço Autônomo de Saneamento Básico) de Itabirito e IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas), além de Cemig e mineradoras Vale e Anglogold Ashanti, que possuem barramentos de água na região do Alto Rio das Velhas, para pensar soluções para a segurança hídrica da RMBH.

Foto: CBH Rio das Velhas
Foto: CBH Rio das Velhas

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas), Marcus Vinícius Polignano, chamou a atenção para a gravidade da situação. “Nosso quadro atual é crítico e as previsões [pluviométricas] para o próximo mês não são animadoras. Além de tudo isso, a Copasa está puxando mais água do Velhas do que o costume por conta da situação do Paraopeba, que se encontra comprometido”, disse ele, lembrando que o desastre da Vale em Brumadinho inviabilizou parte da captação oriunda do rio Paraopeba, tendo previsão de retorno apenas para outubro de 2020.

A principal manobra articulada PELO Grupo Gestor de Vazão do Alto Rio das Velhas (Convazão) para este período crítico é uma contribuição maior de água do sistema Rio de Peixe da AngloGold Ashanti, que hoje se encontra com 82% da sua capacidade máxima.

Além dos riscos à segurança hídrica da RMBH, Polignano chamou a atenção também para outros impactos que a baixa vazão origina, como a mortandade de peixes e a proliferação de aguapés, principalmente no Médio e Baixo Rio das Velhas. O aguapé funciona como um filtro capaz de retirar as impurezas da água, mas quando não há controle e se forma o efeito ‘tapete’, serve como um indicador de poluição. O fenômeno, conhecido como eutrofização, culmina numa queda abrupta de oxigênio na água e os peixes são os primeiros a serem afetados – daí as mortandades observadas.

Adicione o número abaixo na sua lista de contatos e envie “Oi” para receber as notícias do Sou Sabará no seu Whatsapp
 
Fechar Menu