Vazão do Rio das Velhas atinge níveis críticos e gera alerta por medo de faltar água

SALVAR

Nas últimas duas semanas, a vazão do Rio das Velhas no ponto de captação da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) no Sistema Bela Fama, em Nova Lima – responsável pelo abastecimento de cerca de 60% da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) – registrou níveis críticos. Neste período, por três vezes a vazão esteve abaixo dos 10m³/s.

A informação foi divulgada pelo CBH Rio das Velhas em reunião com os representantes da Copasa, SAAE (Serviço Autônomo de Saneamento Básico) de Itabirito e IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas), além de Cemig e mineradoras Vale e Anglogold Ashanti, que possuem barramentos de água na região do Alto Rio das Velhas, para pensar soluções para a segurança hídrica da RMBH.

Continue lendo após a publicidade

Foto: CBH Rio das Velhas
Foto: CBH Rio das Velhas

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas), Marcus Vinícius Polignano, chamou a atenção para a gravidade da situação. “Nosso quadro atual é crítico e as previsões [pluviométricas] para o próximo mês não são animadoras. Além de tudo isso, a Copasa está puxando mais água do Velhas do que o costume por conta da situação do Paraopeba, que se encontra comprometido”, disse ele, lembrando que o desastre da Vale em Brumadinho inviabilizou parte da captação oriunda do rio Paraopeba, tendo previsão de retorno apenas para outubro de 2020.

A principal manobra articulada PELO Grupo Gestor de Vazão do Alto Rio das Velhas (Convazão) para este período crítico é uma contribuição maior de água do sistema Rio de Peixe da AngloGold Ashanti, que hoje se encontra com 82% da sua capacidade máxima.

Além dos riscos à segurança hídrica da RMBH, Polignano chamou a atenção também para outros impactos que a baixa vazão origina, como a mortandade de peixes e a proliferação de aguapés, principalmente no Médio e Baixo Rio das Velhas. O aguapé funciona como um filtro capaz de retirar as impurezas da água, mas quando não há controle e se forma o efeito ‘tapete’, serve como um indicador de poluição. O fenômeno, conhecido como eutrofização, culmina numa queda abrupta de oxigênio na água e os peixes são os primeiros a serem afetados – daí as mortandades observadas.

Compartilhe:

Veja stories do Sou Sabará

Veja stories do Sou Sabará Notícias

Quer participar dos grupos no Whatsapp?

Se você tiver interesse em participar dos grupos do Sou Sabará no Whatsapp
Quer Receber Notícias Sim Não