História – Assassinato na Rua Direita – Sabará

Em 1858 aconteceu o julgamento das escravas Rosa e Peregrina, em Sabará. Elas haviam sido acusadas da morte de Maria do Carmo Pinto Teixeira (sua patroa), casada com o brigadeiro Jacintho Pinto Teixeira, moradores na rua Direita.

O assassinato ocorrera de forma brutal, com golpes de machado e mão-de-pilão  e contou também com a participação das escravas Luísa, Tecla, Balbina, Quitéria e Jesuína, embora apenas Rosa e Peregrina tenham sido condenadas à pena capital.

Continue lendo após a publicidade

Tudo começara depois de sinhá Maria do Carmo ter comprado escrava nova, justamente a bonita Rosa, possuidora de lindos dentes e belo sorriso. A patroa, embora fosse também mulher formosa, ao mesmo tempo era ciumenta e ruim feito uma caranguejeira. Por isso mesmo, a recém-chegada teve falta de sorte ao fazer brilhar os olhares do patrão, o que despertara ciúmes na patroa.

Bastou então que Jacintho saísse em viagem e Maria do Carmo passou a executar um plano elaborado em sua mente doentia. Mandou seus capangas arrancarem os dentes de Rosa e, no retorno do marido, entregou-lhe numa bandeja o presente macabro. Aliás, quando queria amainar os ciúmes que tinha das serviçais, ela já tinha por hábito praticar outra sorte de maldade.

O enforcamento ocorreu no dia 14.04.1858, em patíbulo montado no terreno das catacumbas, situadas em frente à igreja de Nossa Senhora do Carmo.

Anotação do sepultamento das rés Rosa e Peregrina, escravas do brigadeiro Jacintho.
Anotação do sepultamento das rés Rosa e Peregrina, escravas do brigadeiro Jacintho.

Daquela feita, o carrasco agiu afobadamente e com desleixo, porque, logo após o enforcamento, ao recolher-se o corpo de Rosa, constatou-se que ainda estava viva. Diziam que Fortunato(que era o matador profissional) não gostava de enforcar mulheres, pois se abalava ao ver o desespero estampado em seus rostos. Infelizmente, naquele caso, cometera lamentável descuido ao apertar o laço e, por isso, teve de retornar com Rosa ao cadafalso para finalizar o serviço, assim aumentando o próprio sofrimento.

por Eduardo de Paula

Compartilhe:

Veja stories do Sou Sabará

Veja stories do Sou Sabará Notícias

Quer participar dos grupos no Whatsapp?

Se você tiver interesse em participar dos grupos do Sou Sabará no Whatsapp
Quer Receber Notícias Sim Não