Bem-vindo ao Portal de Sabará - MG

Produtores de queijo Minas artesanal comemoram selo que permite venda em todo o país

O premiado queijo artesanal de Minas pode agora ser comercializado pelo país, por causa do decreto federal que foi publicado no “Diário Oficial da União”, antes, haviam tantas restrições e exigências sanitárias, que os produtores tinham dificuldade em vender o laticínio fora do estado.

Elias Cortês com a noiva Bruna (à direita), sua parceira na fabricação do queijo artesanal.
Elias Cortês com a noiva Bruna (à direita), sua parceira na fabricação do queijo artesanal. Acervo/Emater-MG
Continue lendo após a publicidade

A chancela vai permitir a venda interestadual de produtos alimentícios artesanais como queijos, mel e embutidos, atendendo antiga reivindicação dos fabricantes. A expectativa é maior expansão do mercado e consequente aumento da renda com a atividade.

“Quanto mais expandir o mercado, melhor. O selo vai agregar mais valor, tornar o queijo mais conhecido e, claro, aumentar a renda”, argumenta o produtor familiar Elias Côrtes de Almeida, do município de Cruzeiro da Fortaleza, na região do Cerrado. Representante da terceira geração de uma família de produtores de queijo Minas artesanal, Elias é proprietário da Queijaria Vô Joaquim. O empreendimento já é cadastrado no Instituto Agropecuário de Minas (IMA) há dois anos.

“Se o produto pode ser consumido por mineiros, por que pessoas de outros estados não poderiam”?, questiona. Produzindo cem quilos por dia, com a ajuda da noiva Bruna Cunha Barbosa, Elias ainda não pretende aumentar a produção. Segundo ele, “por falta de recursos”, mas promete continuar a investir na melhoria da qualidade de seu produto. Ele avalia que vender o queijo para outros estados não seria difícil. “Tenho clientes garantidos em São Paulo e Brasília, além de Cruzeiro da Fortaleza e Patos de Minas”, explica.

Importância do cadastro no IMA

A coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Maria Edinice Soares, considera o Selo Arte uma grande medida para abrir o leque de opções de comercialização do queijo tipicamente mineiro no Brasil. No entanto, a técnica chama a atenção para a importância de o produtor buscar, em primeiro lugar, a legalização de sua fábrica, por meio do cadastramento no IMA. Em Minas Gerais esse é o órgão responsável pela inspeção sanitária estadual, sendo, assim como a Emater, também vinculado à Seapa.

“Com o certificado do IMA, o produtor pode comercializar dentro do estado. Com o Selo Arte, ele vai ter como acessar mercados nacionais importantes como São Paulo, Rio de Janeiro e o Paraná, que é um grande comprador de queijo, bem como todo o país. Mas antes é preciso se cadastrar no órgão estadual”, explica.

Edinice acrescenta que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) deixa no decreto essa responsabilidade para o Estado. E acredita que, naturalmente, o queijo cadastrado no IMA vai poder utilizar o selo federal. “O decreto é muito recente e o IMA está caminhando para criar as normas. Mas a principal delas deverá ser a queijaria cadastrada nesse órgão”, avalia.

Incentivo

Minas Gerais tem reconhecidas sete regiões caracterizadas como produtoras do queijo Minas artesanal. São elas: Araxá, Canastra, Serro, Triângulo, Campo das Vertentes, Cerrado e Serra do Salitre. Atualmente o estado registra 280 queijarias cadastradas no IMA.

A coordenadora da Emater-MG Maria Edinice acredita que o Selo Arte possa servir de incentivo aos produtores que querem legalizar suas queijarias junto ao órgão público estadual de inspeção sanitária. “Pode ser que hoje, o produtor visualizando um mercado fora do estado, consiga fazer as melhorias necessárias para produzir legalmente o queijo”, prevê.

Adicione o número abaixo na sua lista de contatos e envie “Oi” para receber as notícias do Sou Sabará no seu Whatsapp
 
Fechar Menu