Mãe que tirou a vida da filha em Sabará pode ficar até 20 anos presa

SALVAR

Foto: Douglas Magno - A mulher teria asfixiado a criança após uma discussão com o marido
Foto: Douglas Magno – A mulher teria asfixiado a criança após uma discussão com o marido

A jovem de 19 anos que tirou a vida da própria filha, um bebê de 1 ano e 2 meses, vai responder pelo crime de homicídio por motivo fútil e pode pegar de 12 a 20 anos de cadeia. O pai da criança vai responder por omissão, com a mesma pena prevista. A Polícia Civil de Sabará, apresentou nesta quinta-feira (26) os detalhes sobre a morte da pequena Maria Eduarda na última segunda-feira (23). A criança foi asfixiada pela mãe.

De acordo com a delegada do caso,  o depoimento da avó materna, foi fundamental para o desfecho do caso. “Em seu relato, a avó disse que acordou assustada com a filha pedindo socorro e já gritou: ‘Serena, você matou minha neta!’. A partir desse relato, começamos a perguntar o porquê dessa reação”, explicou a delegada.

Continue lendo após a publicidade

Em depoimento, Serena reafirmou a primeira versão: de que, após uma briga com o marido, a menina teria caído e batido a cabeça na parede. “Ela começou pela primeira versão, mas disse que teria um fato novo que ninguém sabia. Segundo ela, durante a discussão, o marido teria saído do quarto. Com isso, ela levantou abruptamente, e a criança começou a chorar. Mesmo assim, ela seguiu atrás do marido”, disse a delegada.

Ela teria seguido o marido na rua, deixando a criança em casa, chorando, no chão. Ao retornar, cerca de 30 minutos depois, segundo a Polícia Civil, ela ouviu um choro muito forte de Maria Eduarda. “Nesse momento, ela pegou um travesseiro e sufocou a criança até ela parar de chorar e amolecer”, afirmou a delegada. A mulher e o homem estão presos desde segunda-feira e foram levados para o presídio de Ribeirão das Neves.

O caso. Na última segunda-feira, por volta das 8h30, a Polícia Militar (PM) foi acionada pelos médicos de plantão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Nações Unidas, em Sabará. A suspeita era que Maria Eduarda, que já chegou morta, tivesse sido agredida pelos pais, apesar de não haver marcas no corpo dela.

A mãe e o pai foram levados para registrar o boletim de ocorrência e um acusou o outro de ter agredido a criança durante uma briga do casal, em que o marido teria anunciado a vontade de se separar.

Contradição

Sinais. Uma das pistas de que a primeira versão de Serena não era verdadeira foi que os médicos não identificaram nenhum sinal de que a bebê teria batido com a cabeça na parede.

Leia a matéria completa aqui via Jornal O Tempo

Compartilhe:

Veja stories do Sou Sabará

Veja stories do Sou Sabará Notícias

Quer participar dos grupos no Whatsapp?

Se você tiver interesse em participar dos grupos do Sou Sabará no Whatsapp
Quer Receber Notícias Sim Não